ST 01 - Redes sociais, poder, administração e justiça no mundo luso-brasileiro (1700-1850)

Autores

Débora Cazelato de Souza - CAPES/PROEX

Doutoranda em História

Universidade Federal de Minas Gerais

deboracazelato@yahoo.com.br

Fabiana Léo Pereira Nascimento

Mestre em História

Universidade Federal de Minas Gerais

fabianaleohistoria@gmail.com

Pedro Brandão de Sousa Culmant Ramos - CNPQ

Mestrando em História

Universidade Federal do Rio de Janeiro - PPGHIS

pedroculmant@gmail.com

Regina Mendes de Araújo

Doutoranda em História

Universidade Federal de Minas Gerais/IFNMG

rearaujo33@yahoo.com.br

Maria Beatriz Gomes Bellens Porto - Capes

Doutoranda em História

Universidade Federal do Rio de Janeiro - PPGHIS

mbporto@gmail.com

Nara Maria de Paula Tinoco

Mestranda em História

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

naratinoco3@gmail.com

Ementa

A historiografia nas últimas décadas tem lançado luz sobre temáticas ligadas às novas interpretações e enfoques que buscam compreender as relações de poder, as atuações individuais e as práticas cotidianas desenvolvidas nos séculos XVIII e XIX. É nesse sentido que propomos pensar o espaço do chamado Império Ultramarino Português, em todos os continentes pelos quais ele se estendeu, bem como suas permanências sobre o Império Brasileiro nas primeiras décadas do século XIX. Ressalta-se, portanto, que o Simpósio terá para o século XIX a delimitação cronológica até 1850, que tem como marco a proibição do tráfico de escravizados, que leva a transformações das relações econômicas e políticas e por consequência a um processo em que o Brasil paulatinamente se distancia da lógica colonial, e surgem novas questões fundamentais para o período, o que fugiria da intenção do Simpósio Temático.

Seguindo por esse campo de debate, nossa proposta é promover um Simpósio que se apresente como espaço de discussão entre os pesquisadores que se dedicam aos estudos desta temática, seja pela perspectiva da problematização das instituições e as estruturas administrativas e seus agentes, como também da análise das trajetórias individuais e dos grupos, as vivências e redes de sociabilidades dos personagens que conformaram o espaço colonial e imperial.

Serão privilegiadas pesquisas que versem sobre política e administração, o exercício da justiça no âmbito civil e eclesiástico, os magistrados e bachareis, assim como as análises dedicadas ao estudo das redes sociais e mercantis, sua constituição e seus agentes além das investigações que examinem os conflitos e motins ligados aos mecanismos de repressão e controle social, relações entre Brasil e outros impérios, bem como os debates que levantem questões sobre a religiosidade, a cultura popular e a escravidão. Pretende-se contemplar trabalhos que lancem mão das diversas fontes disponíveis, sejam testamentos e inventários, além dos processos administrativos e jurídicos, e que contém com as múltiplas metodologias de pesquisa, como a micro-história, prosopografia, análises de redes sociais, histórias conectadas, dentre outras.


Programação das mesas

Mesa 1 - Sala 1012 10 de Maio de 2017 as 13:00 até 15:30
Autores Titulo
Daniela Pereira Bonfim
“Fazer certa sua qualidade e viver conforme a mesma”: distinção social e justificação de nobreza (Pernambuco 1761 – 1807)
Rafael Jose de Paula Braga
A venalidade e a sociedade: o papel da venda de ofícios no Antigo Regime nos Trópicos (1701-1750)
Felipe Tito Cesar Neto
“Desejando por a minha alma no caminho da salvação”: práticas de bem morrer e mobilidade social de forros, através dos testamentos – Mariana, Minas Gerais, c. 1735 – c. 1750.
Caroline Almeida Gaspar
A imposição da civilização: Uma análise sobre o uso e a imposição do vestuário ocidental na sociedade indígena no Grão-Pará. (1757-1773)
Lana Sato de Moraes
América Lusa, hierarquias e gênero: As mulheres nas Ordenações Filipinas
Mesa 2 - Sala 1012 10 de Maio de 2017 as 15:30 até 18:00
Autores Titulo
Lucimeire da Silva Oliveira
Redes de sociabilidade: estratégias familiares dos negociantes de grosso trato do Rio de Janeiro na segunda metade do setecentos.
Pedro Eduardo Andrade Carvalho
Poder das Letras e da Lei: uma análise interrelacional dos professores do Termo de Mariana entre 1750 e 1835
Grazielle Cassimiro Cardoso
Contratos e contratadores: nos rastros de José Ramos da Silva, contratador da dízima da Alfândega da cidade do Rio de Janeiro (1721-1723)
Josimar Faria Duarte
Pelo Fio da Batina: Clérigos e suas redes de sociabilidades em Mariana (Século XVIII)
Mesa 3 - Sala 1012 11 de Maio de 2017 as 13:00 até 16:00
Autores Titulo
Eduardo da Silva Júnior
Uma análise da atuação dos Juízes de Paz e dos Conselheiros de Governo na administração da justiça em Minas Gerais (1827-1834)
Marina Passos Tufolo
Com o poder de ditar o direito: práticas de fiscalização dos magistrados através das correspondências do Arquivo Ultramarino (século XVIII).
DÉBORA CAZELATO DE SOUZA
Juízes de fora na América Portuguesa colonial (século XVIII)
Mariane Alves Simões
Juízes ordinários e de fora: reflexões sobre a justiça em primeira instância na região de Mariana, MG (1711-1750)
Mesa 4 - Sala 1012 11 de Maio de 2017 as 16:00 até 18:00
Autores Titulo
Régis Clemente Quintão
Caetano José de Sousa: um bom administrador?
JOELMIR CABRAL MOREIRA
Conflitos e ascensão social de um magistrado à serviço d’El Rey - o estudo de um caso, José Pinto de Morais Bacelar.
Nara Maria de Paula Tinoco
Ouvidores régios: um balanço historiográfico.
Mesa 5 - Sala 1012 12 de Maio de 2017 as 13:00 até 15:30
Autores Titulo
Beatriz Sales Dias
Escravidão e poder local: uma análise do problema dos forros em 1755 na cidade de Mariana
Ludmila Machado Pereira de Oliveira Torres
O controle do trabalho mecânico pela câmara da Vila Real do Sabará (1735-1829)
Edna Mara Ferreira da Silva
Afirmação política sob um território colonial nas Minas Gerais: análise do auto de Posse do Senhorio da Vila de Campanha
Regina Mendes de Araújo
Homens de distinção: a presença dos homens bons na câmara de Mariana na segunda metade do século XVIII.
Mesa 6 - Sala 1012 12 de Maio de 2017 as 15:30 até 18:00
Autores Titulo
Maria Beatriz Gomes Bellens Porto
Financiar as festas oficiais do Rio de Janeiro e a sociedade de Antigo Regime (1790-1828)
Rogéria Cristina Alves
"O mundo num oceano": o espaço atlântico e a circulação de marfins (Portugal, Angola e Brasil, Séculos XVIII e XIX)
Daiane de Souza Alves
A Fazenda Imperial: Bernardo Pereira de Vasconcelos e Martim Francisco Ribeiro de Andrada e a formulação das políticas fiscais e econômicas do Império (1821-1833).
Marcus Vinícius Duque Neves
Legalidade, poder e tensões políticas: mandonismo e criminalidade em Bonfim MG - século XIX.

Apoios

UFMG
Fafich
Temporalidades
PPGHIS
Varia História
CEPAMM
Núcleo História Oral
CEM
Sem Rumo
Brasiliana
Iepha