ST 02 - História da polícia, do crime, da punição e da justiça no mundo moderno e contemporâneo: perspectivas historiográficas e teórico-metodológicas

Autores

Igor Tadeu Camilo Rocha

Doutorando em História Social da Cultura

Universidade Federal de Minas Gerais-UFMG (bolsista CAPES/PROEX)

igortcr@gmail.com

Lucas Carvalho Soares de Aguiar Pereira

Doutorando em História Social

Universidade Federal do Rio de Janeiro-UFRJ

lucaspereirahistoria@gmail.com

Mateus Freitas Ribeiro Frizzone

Mestrando em História Social da Cultura

Universidade Federal de Minas Gerais-UFMG

mfrizzone@gmail.com

Ementa

A documentação inquisitorial, judiciária e policial, desde a década de 1960, subsidia estudos históricos interessados no universo popular e na própria dinâmica dos órgãos punitivos. Busca-se compreender tanto a vida social, cultural e política que estaria por trás dessas fontes, quanto as condições de produção dessa documentação, as instituições e os sujeitos que as produziram, bem como o papel da violência, do crime, dos aparatos punitivos e da polícia no cotidiano de determinadas localidades e na sociedade em geral. O objetivo deste ST é promover o encontro de pesquisadoras(es) que trabalham com fontes e temas da polícia, do crime, da punição, da vigilância, da censura, da justiça criminal e da violência, no mundo moderno e contemporâneo, estimulando debates metodológicos e apresentação de resultados de pesquisas. Serão bem vindas propostas de trabalho relacionadas às seguintes abordagens:
1) O crime e os criminosos. Variações ao longo do espaço e do tempo. Estudo tanto das práticas sociais e culturais criminalizadas pelo estado como dos grupos e indivíduos que foram historicamente identificados como autores de crimes e como criminosos.
2) As instituições públicas que tratam do crime. Surgimento e o funcionamento de aparatos legais, judiciários, policiais e prisionais como forma de lidar com o crime. Abordagens das normas legais, com ênfase na história do direito, da Inquisição ao Direito contemporâneo. Abordagens de história social e/ou cultural dos agentes que participam dessas instituições: juízes, carcereiros, policiais, defensores públicos, etc.
3) A formação das polícias como instituições públicas e como parte da história da formação do estado. Análise dos projetos, objetivos e diferentes modelos policiais – que não se resumem no objetivo de “combate ao crime” – bem como das condições cotidianas e da vida social e cultural constituída entre os sujeitos que formaram os diferentes grupamentos policiais.
4) As representações sociais a respeito do crime, do criminoso, da polícia e do policial tendo como fonte principal os processos-crime, mas também, a imprensa, a literatura, as memórias, a música e outras formas públicas que produzem explicações e imagens partilhadas sobre a criminalidade.
5) Formas históricas de punição, o nascimento das prisões e das penas, o cotidiano e as memórias de presos e responsáveis pela administração das prisões.


Programação das mesas

Mesa 1 - Sala 2045 10 de Maio de 2017 as 13:00 até 15:30
Autores Titulo
Edenir Vitoria de Araujo Santos
A aplicação da justiça na capitania de Minas Gerais: um estudo dos crimes de descaminho e contrabando (1771-1808)
Thiago Torres Medeiros da Silva
" O Samba da Morte" : um assassinato no Morro da Favela. Os jornais da grande imprensa e o processo crime (1909).
Séfora Semíramis Sutil Moreira
OS SENTIDOS DA HONRA: CRIMINALIDADE E JUSTIÇA NA REGIÃO DE FORMIGA, MINAS GERAIS (1807/1875)
Joana Rios Ribeiro Maia Carbonesi
Os "Gordon riots" e a sua construção narrativa em panfletos de crime na Inglaterra do século XVIII
Mesa 2 - Sala 2045 11 de Maio de 2017 as 13:00 até 15:30
Autores Titulo
Pedro Henrique da Silva Carvalho
Estufa Social: a Penitenciária Agrícola José Maria Alkimin (1927-1949)
Fabiana Léo Pereira Nascimento
Uma análise conceitual do fenômeno quilombola nas Minas setecentistas: o escravo fugido entre o castigo doméstico, o crime e a pena pública
ALEXIA ALVIM MACHADO FARIA
O encontro entre "corrupção" e crime nos delitos de peita e suborno do Brasil imperial (1824-1889)
Carolina Wanderley Van Parys de Wit
Prostitutas e criminosas: O discurso acerca da criminalidade feminina segundo Cesare Lombroso e Guglielmo Ferrero (1893)
Victor Cezar Rodrigues da Silva Costa
Douglas Carvalho Ribeiro
Marx, o marxismo e a questão criminal: Notas sobre a criminologia crítica e o economicismo
Mesa 3 - Sala 2045 11 de Maio de 2017 as 15:30 até 17:30
Autores Titulo
Jailton Alves de Oliveira
"Casa de Detenção da Corte: as condições precárias das mulheres encarceradas (1860-1880)".
Amanda Ribeiro Mafra Lima
Entre venenos e surrupios: a criminalidade feminina na literatura popular de crime no Rio de Janeiro (início do século XX).
Gabriela Fazolato Guedes
Ação policial e posturas do poder público no controle da prostituição nas primeiras décadas republicanas (1896-1920)
Lara Lanusa Santos Nascimento
FEMINICÍDIO: A EXPRESSÃO MÁXIMA DA VIOLÊNCIA DE GÊNERO
Mesa 4 - Sala 3054 12 de Maio de 2017 as 13:00 até 15:30
Autores Titulo
Arthur Barretto de Almeida Costa
"A Mais Bela Prerrogativa da Coroa": O Recurso de Graça na Cultura Jurídica Brasileira (1824-1924)
Igor Tadeu Camilo Rocha
O Regimento Inquisitorial de 1774: modernização e dirigismo cultural no Reformismo pombalino
Mateus Freitas Ribeiro Frizzone
O sistema punitivo do Antigo Regime Português e sua implementação nas Minas setecentistas: a importância das cadeias e do encarceramento
Arley Fernandes Teixeira
O Perdão do Ofendido no Direito Penal Brasileiro do Século XIX
Mesa 5 - Sala 3054 12 de Maio de 2017 as 15:30 até 17:30
Autores Titulo
Daniel Santos Ribeiro
A máfia ítalo-americana: algumas passagens entre a história e a ficção.
Pollyanna Rodrigues Alves Chaves
1964 x 1944: a construção de uma memória institucional dentro do Departamento de Polícia Federal
Lucas Carvalho Soares de Aguiar Pereira
Representações dos soldados e oficiais da força pública nos relatórios dos Chefes de Polícia do estado de Minas Gerais (1894-1922)

Apoios

UFMG
Fafich
Temporalidades
PPGHIS
Varia História
CEPAMM
Núcleo História Oral
CEM
Sem Rumo
Brasiliana
Iepha