MC 13 - Surrealismo e crítica da modernidade

Autores

Gabriela Alexandra Mitidieri Malta Cals Theophilo

Doutora em História

PPGHIS -UFRJ

gabitheophilo@gmail.com

Ementa

Em 1924, André Breton publicava o primeiro “Manifesto do Surrealismo”. O texto apresentava uma crítica radical aos ideais utilitaristas do Homo Economicus, proclamando a possibilidade de reconquista da liberdade do homem a partir do rompimento de coerções físicas, morais e psíquicas impostas por séculos de civilização. Apoiando-se numa apropriação particular da psicanálise freudiana, chamava a atenção para as infinitas possibilidades do inconsciente, que poderia gerar relações de sentido antes não imaginadas. A crítica de Breton vinha no lastro de uma desconfiança geral em relação aos rumos da civilização ocidental. Nas primeiras décadas do século XX, o progresso inexorável da humanidade não parecia mais um dado seguro. Assim, muitos intelectuais diagnosticaram uma “crise na cultura”, estabelecendo formas diferentes de críticas à modernidade – algumas com um caráter mais conservador, outras mais subversivas, como foi o caso do surrealismo francês. O objetivo deste minicurso é expor as principais premissas deste movimento que teve profundo impacto tanto nas artes quanto nas ciências do Homem ao longo do século XX, a partir de suas críticas à “razão ocidental”.


Cronograma das atividades:

6 horas/aula

Aula 1: Surrealismo e crítica à razão Ocidental (2h/aula)
a) Surrealismo e psicanálise
b) Os usos da mística: analogia e metáfora
c) Os jogos surrealistas

Aula 2: Surrealismo e primitivismo (2h/aula)
a) Exotismo e orientalismo
b) Primitivismo e mercado das artes
c) Surrealismo, etnografia e museus

Aula 3: Surrealismo e política (2h/aula)
a) Dialética hegeliana, materialismo histórico marxista e psicanálise freudiana nos manifestos surrealistas
b) Anticolonialismo e resistência aos fascismos
c) A noção de “Homem total”

Bibliografia

BLANCHOT, Maurice. A parte do fogo. Rio de Janeiro: Rocco, 1997

BRETON, André. Manifestos do surrealismo. PACHÁ, Sérgio (tradução). Rio de Janeiro: Nau editora, 2001

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. GONÇALVES, José Reginaldo Santos (org). Rio de Janeiro: editora UFRJ, 2011

DE L’ESTOILE, Benoît. Le goût des Autres : de l’Exposition coloniale aux Arts premiers. Paris : Flammarion, 2007

FREUD, Sigmund. Obras completas. vols 1-20. São Paulo: Companhia das letras, 2010

GUINSBURG, J; LEIRNER, Sheila (orgs) O surrealismo. São Paulo: Perspectiva, 2008

LOWY, Michael. A estrela da manhã: surrealismo e marxismo. Rio de Janeiro: civilização brasileira, 2002

MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac&Naify, 2011

NADEAU, Maurice. História do surrealismo. São Paulo: perspectiva, 2008

PRICE, Sally. Arte primitiva em centros civilizados. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2000

  • Locais e datas

    • 11 de Maio de 2017
      08:00 - 12:00

      Sala 2082

    • 12 de Maio de 2017
      08:00 - 10:00

      Sala 3006

Apoios

UFMG
Fafich
Temporalidades
PPGHIS
Varia História
CEPAMM
Núcleo História Oral
CEM
Sem Rumo
Brasiliana
Iepha