MC 11 - Registros históricos e protagonismo nativo: o esbulho dos direitos indígenas no Brasil em contextos ditatoriais

Autores

Vladimir Bertapeli

Doutorando em Ciências Sociais, Mestrado em Ciências Sociais

FCLAr-UNESP

bertapeliv@gmail.com

Fábio do Espírito Santo Martins

Doutorando em Ciências Sociais, Mestrado em Ciências Sociais, Graduação em História

FCLAr-UNESP

epiritomaritins@bol.com.br

Ementa

No presente minicurso, pretendemos propor e discutir o protagonismo ameríndio referente ao contexto de supressão e violações dos seus direitos constitucionais que são verificáveis em dois momentos da historiografia brasileira, especialmente o que denominamos como Estado Novo (1937-1945) e a Ditadura Civil-Militar (1964-1985). Para isso, ao longo deste minicurso, procuraremos demonstrar a importância de se relacionar a documentação escrita – neste caso as fontes primárias existentes nos arquivos do Serviço de Proteção aos Índios (SPI) e da Fundação Nacional do Índio (FUNAI) – com a memória oral de nativos que vivenciaram o alusivo período. Neste sentido, salientamos o quanto que é fundamental a continuidade de se manter um diálogo entre História e Antropologia, uma vez que as contribuições entre estas ciências se demonstram significativamente profícuas desde os decênios finais do século XX. Portanto, após evidenciar o supracitado propósito, procuramos contribuir nas discussões concernentes à história indígena, especialmente nos momentos históricos em questão.


Cronograma das atividades:

6 horas/aula

Primeira sessão: Introdução ao tema

• O diálogo e contribuições entre os campos da História e da Antropologia.
• Arquivo e memória: os documentos do SPI/FUNAI e a memória oral indígena.
• Apontamentos sobre história do protagonismo indígena no Brasil.

Segunda sessão: Os povos indígenas e o Estado brasileiro

• A criação do Serviço de Proteção aos Índios do (SPI).
• A política indigenista brasileira durante o Estado Novo (1937-1945).
• O cotidiano dos Postos Indígenas.

Terceira sessão: “Nesse regime de baraço e cutelo”: os povos indígenas e a Ditadura Civil-Militar (1964-1985)

• O Relatório Figueiredo.
• O papel dos movimentos indígenas na redemocratização do Brasil.
• A Comissão Nacional da Verdade (CNV) e história indígena.
• Precariedade e desrespeito no atendimento dos direitos indígenas na contemporaneidade.

Bibliografia

AZANHA, G.; VALADÃO, V. M. Senhores destas terras: os povos indígenas no Brasil – da colônia aos nossos dias. São Paulo: Atual, 1991.
BURGUIÈRE, A. A antropologia histórica. In. LE GOFF, J. A história nova. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
CARMARK, R. M. Etnohistoria y teoria antropológica. In. Cuadernos, Guatemala, n.26, 1979.
CARNEIRO DA CUNHA, M. O direito dos índios. São Paulo: Brasiliense, 1987.
______. História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992b.
______. Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo: Cosac & Naify, 2009.
CARVALHO, M. J. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.
CLASTRES, P. A sociedade contra o Estado: investigações de antropologia política. São Paulo: Brasiliense, 1978.
COMISSÃO NACIONAL DA VERDADE. 2014. Texto 5: violações de direitos humanos dos povos indígenas. In. Relatório: textos temáticos – volume II. Brasília. Disponível em: http://www.cnv.gov.br/images/pdf/relatorio/volume_2_digital.pdf. Acesso em: 27 dez. 2014.
CORRÊA, J.G.S.A ordem a se preservar: a gestão dos índios e o Reformatório Agrícola Indígena Krenak. 2000. 214 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós Graduação em Antropologia,Museu Nacional,Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2000.
DAVIS, S. Vítimas do milagre: o desenvolvimento e os índios do Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
HILL, J. D. History, Power and identity: Amazonian perspective. In. The Americas IowaCity: Univerty of Iowa Press, 1996.
HORTA BARBOSA, L. B. Pelo índio e pela sua proteção oficial. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1947.
IHERING, H. V. A anthropologia do Estado de S. Paulo. In. Revista do Museu Paulista. São Paulo, v.7, p. 202-257, 1907.
______. A questão dos índios do Brasil. In. Revista do Museu Paulista. São Paulo, v. 8. p. 112-140, 1911.
LIMA, A. C. S. O governo dos índios sobre a gestão do SPI. In. CARNEIRO DA CUNHA, M. (org.) História dos índios do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.
______. Um grande cerco de paz: poder tutelar, indigenismo, indianidade e formação do Estado no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1995.
______. Reconsiderando poder tutelar e formação do Estado no Brasil: notas a partir da criação do Serviço de Proteção aos Índios e Localização dos Trabalhadores Nacionais.
KOPENAWA, D. A queda do céu; palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.
COHN, S. (Org.) Ailton Krenak: encontros, a arte da entrevista. Rio de Janeiro: Azougue, 2015.
MALDI, D. A teia da memória: proposta teórica para a construção de uma etnohistória. Cuiabá: EdUFMT, 1993.
MATTOS, M. I. O indigenismo na transição para a república: fundamentos do SPILTN. In. ROCHA FREIRE, C. A. (org.) Memórias do SPI: textos, imagens e documentos sobre o Serviço de Proteção ao Índios (1910-1967). Rio de Janeiro: Museu do Índio-FUNAI, 2011.
MONTEIRO, J. O desafio da história indígena no Brasil. In. LOPES DA SILVA, A. BENZI GRUPIONI, L. D. A temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1° e 2° Grau. Brasília: MEC/MARI/UNESCO, 1995.
______. Redescobrindo os índios da América portuguesa: antropologia e história. In. Aguiar, O. A. (Org.). Olhares contemporâneos: cenas do mundo em discussão na universidade. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2001.
MUNDURUKU, D. O caráter educativo do movimento indígena (1970-1990). São Paulo: Paulinas, 2012.
OLIVEIRA, J. P. “O nosso governo”: os Ticuna e o regime tutelar. São Paulo: Marco Zero/MCT-CNPq, 1988.
ROSALDO, R. Ilongot headhunting (1883-1974): a study in society and history. Stanford: Stanford University Press, 1980.
SAHLINS, M. Ilhas de histórias. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.
______. Metáforas históricas e realidades míticas. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.
STAUFFER, D. H. Origem e fundação do Serviço de Proteção aos Índios. In. Revista de História, São Paulo, n°.37, p.37-77, 1959.
VANSINA, J. Oral tradition: a study in historical methodology. Aylebury: Penguin Books, 1972.

  • Locais e datas

    • 8 de Maio de 2017
      08:00 - 12:00

      Sala 3038

    • 9 de Maio de 2017
      08:00 - 10:00

      Sala 3034

Apoios

UFMG
Fafich
Temporalidades
PPGHIS
Varia História
CEPAMM
Núcleo História Oral
CEM
Sem Rumo
Brasiliana
Iepha