MC 12 - História social e cultural da polícia e do crime: uma introdução historiográfica

Autores

Lucas Carvalho Soares de Aguiar Pereira

Doutorando em História Social (UFRJ)

Professor IFMG - Betim

lucaspereirahistoria@gmail.com

Ementa

Ementa: O crime e a polícia como objetos historiográficos. Fontes e métodos. O que é e o que faz a polícia? Os sujeitos do crime e da polícia. Crime e cultura. Polícia e sociedade.

Este minicurso tem como principal objetivo promover uma reflexão sobre a história social e cultural da polícia, do crime e da justiça criminal no Brasil, que possibilite uma sistematização dos principais procedimentos teórico-metodológicos de pesquisa e vertentes explicativas desse domínio de conhecimento, em pleno desenvolvimento. O tema da segurança, da violência, da justiça penal e da ação policial no Brasil está na ordem do dia da sociedade brasileira contemporânea e, por isso, a familiarização com a produção acadêmica do ponto de vista histórico torna-se um importante subsídio analítico para os profissionais e estudantes que têm os três últimos séculos como foco de seus estudos e trabalhos.
Assim, pretende-se apresentar algumas abordagens historiográficas clássicas e recentes sobre os temas, bem como realizar um estudo das fontes para história do crime, da justiça criminal e da polícia. O curso apresentará as explicações em torno da formação e organização das polícias nos estados contemporâneos, incluindo o Brasil, entre os séculos XIX e XX. Discutiremos, ainda, o problema do crime, da segurança pública e a emergência da criminalidade, com ênfase em dois objetos de estudo: os processos de racionalização da cultura policial e da relação entre polícia e crime, por um lado, e a circulação de representações sociais a respeito do crime em diversas esferas da vida sociocultural no ocidente entre o final do século XIX e início do XX. Finalmente, a ação policial e a relação entre polícia e sociedade serão tomadas como tema de reflexão a partir da análise de documentação escrita e audiovisual. Ao final do minicurso será disponibilizado um espaço, caso haja interesse, para discussão de problemas de pesquisa dos participantes.


Cronograma das atividades:

6 horas/aula

1ª encontro A questão policial
Parte 1 – Apresentação
1.1 Abordagens historiográficas; Arquivos e Fontes
Parte 2 – A formação da polícia.
1.2 O que é a polícia? O que faz a polícia? Quem é o policial?
1.3 Modelos policiais
1.4 Cultura Policial

2º Encontro O problema do crime
Parte 1 – Quem é criminoso e como detê-lo?
2.1 Racionalização do cotidiano e das práticas administrativas ou a polícia como saber científico.
2.2 Homo Criminosus – a questão da identificação do criminoso.
Parte 2 – Cultura do crime
2.3 O crime impresso
2.4 Crime e cinema

3º Encontro Polícia e Sociedade
3.1 Leitura e análise de documentação escrita – Brasil século XIX e XX
3.2 Leitura e análise de documentação audiovisual (Vigilante Rodoviário, Robocop, Federal)
3.3 Discussão final sobre problemas de pesquisa.

Bibliografia

BERLIÈRE, Jean-Marc. Archives “interdites”, archives “spéciales” ? Quelques réflexions à propos des archives policières. Histoire@Politique nº. 8, 2/2009, Disponível em: www.cairn.info/revue-histoire-politique-2009-2-page-94.htm. Acesso em 01/10/2015.
BRETAS, Marcos Luiz; ROSEMBERG, André. A História da Polícia no Brasil: balanço e perspectivas. Topoi. Revista de História, Rio de Janeiro, v. 14, n. 26, jan. / jun., 2013 p. 162-173. Disponível em: . Acesso 21/11/2013.
CAIMARI, Lila. Mientras la ciudad duerme: pistoleros, policías y periodistas en Buenos Aires, 1920-1945. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2012.
CHEVALIER, Louis. Classes laborieuses et classes dangereuses à Paris, pendant la première moitié du XIXe. siècle. Paris : LIibrairie Générale Française, 1979.
EMSLEY, Clive. The policeman as worker: a comparative survey c. 1800-1940. International Review of social History. n. 45, p. 89-110, 2000.
FARGE, Arlete. O sabor do arquivo. São Paulo: Edusp, 2009.
FERLA, Luis. Feios, sujos e malvados sob medida: a utopia médica do biodeterminismo, São Paulo (1920-1945). São Paulo: Alameda, 2009.
GALEANO, Diego. Criminosos viajantes, vigilantes modernos: Circulações policiais entre Rio de Janeiro e Buenos Aires, 1890-1930.Tese (doutorado em História Social), Rio de Janeiro, UFRJ, 2012.
KALIFA, Dominique. Crime et culture au XIXe siècle. Paris: Perrin, 2005.
KALIFA, Dominique. Les Bas-Fons; histoire d’un imaginaire. Paris: Seuil, 2013.
KNEPPER, Paul. The Invention of International Crime: A Global Issue in the Making, 1881-1914 London, Palgrave Macmillan, 2010.
LINEBAUGH, Peter. Crime e Industrialização: a Grã-Bretanha no século XVIII. In: PINHEIRO, Paulo Sérgio. Crime, violência e poder. São Paulo, Brasiliense, 1983.
LUC, Jean-Nöel. Gendarmerie, état et societé au XIXe siècle. Paris: Publications de la SOrbonne, 2002.
MAUCH, Cláudia. Dizendo-se autoridade: polícia e policiais em Porto Alegre, 1896-1929. Tese, Porto Alegre, UFRGS, 2011.
MONET, Jean-Claude. Polícias e sociedades na Europa. São Paulo: Edusp, 2001.
MONJARDET, Dominique. O que faz a polícia. São Paulo Edusp, 2002.
MONKKONEN, Eric H. História da polícia urbana. In TONRY, Michael; MORRIS, Norval (Orgs.). Policiamento moderno. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2003.
PAIXÃO, Antônio Luiz. Crimes e criminosos em Belo Horizonte: uma exploração inicial das estatísticas oficiais de criminalidade. In BOSCHI, R. Violência e cidade. Zahar editores, Rio de Janeiro, 1982.
ROSEMBERG, André. Polícia, policiamento e o policial na província de São Paulo, no final do Império: a instituição, prática cotidiana e cultura. Tese de doutorado. USP, São Paulo, 2008.
THOMPSON, Edward P. Senhores e caçadores. A origem da lei negra. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

  • Locais e datas

    • 11 de Maio de 2017
      08:00 - 12:00

      Sala 2074

    • 12 de Maio de 2017
      08:00 - 10:00

      Sala 3016

Apoios

UFMG
Fafich
Temporalidades
PPGHIS
Varia História
CEPAMM
Núcleo História Oral
CEM
Sem Rumo
Brasiliana
Iepha